Witzel propõe antecipação dos recursos do leilão da Cedae para a retomada econômica do estado

  • Publicado em Matérias

Durante coletiva à imprensa, governador afirmou que recebeu sinalização favorável do ministro da Economia, Paulo Guedes

Witzel propõe antecipação dos recursos do leilão3 Eliane Carvalho RJO governador Wilson Witzel sugeriu que o Governo Federal adiante os recursos financeiros obtidos após o leilão de concessão da Cedae para minimizar os efeitos da crise econômica causados pela queda do preço do barril do petróleo e da pandemia do novo coronavírus.

A proposta foi feita, nesta quarta-feira (25/03), durante a videoconferência com o presidente da República, Jair Bolsonaro, e os chefes do Executivo da Região Sudeste – João Doria (São Paulo), Romeu Zema (Minas Gerais) e Renato Casagrande (Espírito Santo). Em entrevista coletiva à imprensa logo após a reunião, o governador informou que o ministro da Economia, Paulo Guedes, sinalizou que esta deverá ser a prática adotada para ajudar os estados.

- Sai otimista da reunião. Sempre defendi o diálogo e a união de esforços para o bem do Brasil e do povo fluminense. A operação do leilão da Cedae, que está sendo conduzido também pelo BNDES, está prevista para acontecer em outubro. Este primeiro leilão será a concessão das linhas de distribuição de água de 44 municípios e da capital fluminense, dividido em quatro blocos. Está prevista uma outorga de R$ 11 bilhões. Mesmo com a crise global, há ainda muito interesse nesta operação. O que o ministro Guedes sinalizou e, eu coloquei em pauta, foi a possibilidade de antecipar dois terços da outorga. O contrato do leilão só será assinado no mês de fevereiro do ano que vem e, por isso, teríamos a necessidade da antecipação desse recurso - explicou o governador.

Durante a conferência, Wilson Witzel apresentou o cenário atual da economia fluminense.

- Na parte econômica, duas crises atingem o Rio de Janeiro: a crise do petróleo e a crise econômica decorrente das medidas restritivas de circulação por conta da pandemia. O Rio de Janeiro já apresentava um déficit de R$ 10 bilhões. Somando as duas crises são R$ 20 bilhões. Além da antecipação dos recursos do leilão da Cedae, o ministro Guedes também sinalizou positivamente para o avanço do plano Mansueto – afirmou, referindo-se à proposta que tramita no Congresso para alocar mais recursos para estados e municípios.

Manutenção das medidas restritivas

Na entrevista coletiva, o governador salientou que o Rio de Janeiro manterá as medidas restritivas por causa da propagação do Covid-19, que incluem o isolamento social e a redução da circulação de pessoas no estado.

- Mantemos a quarentena e as restrições de circulação de pessoas seguindo as recomendações da Organização Mundial da Saúde (OMS), do Ministério da Saúde e do nosso secretário da Saúde, Edmar Santos. São recomendações que devem ser observadas para o bem da população a fim de evitar o alto número de contágio. Temos hoje 17 infectados em CTIs e poderemos ao longo dessa semana ter um número ainda maior - ressaltou.

Witzel adiantou que, no início de abril, a Secretaria de Estado de Saúde terá o primeiro ponto de avaliação da curva epidemiológica no Rio de Janeiro.  

- No momento, peço às pessoas que continuem em casa, somente assim preservaremos vidas. Nós teremos um ponto de avaliação no dia 4 de abril, onde poderemos ter uma visão mais clara do controle do pico da epidemia. Com isso, podemos, paulatinamente e gradativamente, ir fazendo algumas mudanças de abertura da economia para não termos, evidentemente, um grave prejuízo às empresas – explicou o governador.