coluna saude roberto daiub

Miocardite após vacina de mRNA contra a Covid-19

  • Published in Saúde

O que precisamos saber?

Como parte do processo de farmacovigilância, os eventos adversos relacionados às vacinas de Covid-19 vão se tornando conhecidos. Embora os eventos mais comuns sejam reações locais ou sintomas sistêmicos leves, à medida que a vacinação avança mundialmente, efeitos atípicos e menos frequentes tornam-se aparentes, incluindo relacionados à vacina de mRNA.

A síndrome de trombose com trombocitopenia associada à vacina Aztrazeneca/Oxford foi o primeiro evento adverso atípico relatado em relação às vacinas contra Covid-19, com descrição de diversos casos de trombose venosa cursando com trombocitopenia.

Mais recentemente, descrições repetidas de casos parecem sugerir um novo evento adverso associado à vacinação. Trata-se de casos de miocardite e pericardite em jovens após terem recebido vacina contra Covid-19.

Leia também: Rejeição ao transplante renal

Os casos foram identificados a partir do sistema de vigilância do governo norte-americano. A ocorrência de miocardite e pericardite parece ser mais comum em adolescentes e adultos jovens do sexo masculino do que em mulheres e indivíduos mais velhos. Os sintomas são típicos de miocardite/pericardite por outras causas, podendo incluir dor torácica, dispneia e febre.

As vacinas relacionadas com esses casos foram as baseadas na plataforma de mRNA, produzidas pela Pfizer e Moderna, sendo a da Pfizer a única vacina de mRNA autorizada para uso em crianças. Esses eventos podem ocorrer em uma proporção de 16 casos a cada 1.000.000 de pessoas que recebem duas doses da vacina.

Cerca de 12 milhões de doses dessas vacinas foram administradas em indivíduos entre 16 e 24 anos, nos EUA, com relato de 275 casos de miocardite/pericardite nessa faixa etária relatados ao sistema de vigilância.

A maioria dos indivíduos que apresentaram miocardite teve recuperação rápida, apesar de 3 casos terem necessitado de internação em unidade de terapia intensiva e de reabilitação após alta hospitalar. Dentre os casos com desfecho conhecido, 81% melhoraram e 19% ainda apresentavam sintomas, segundo o relato do Comitê de Vigilância epidemiológica Americano.

Ainda não é possível determinar se há mesmo uma relação causal entre os eventos e a vacinação. Outro sistema de vigilância de eventos adversos nacional não confirmou uma incidência maior de miocardite/pericardite em vacinados do que o número esperado na população, apesar de ter identificado que casos eram mais prováveis após a segunda dose da vacina. Especialistas apontam que, além da aparente incidência maior do que a esperada na população geral, a notificação de casos agregados e a relação temporal com a dose da vacina sugerem que uma associação é possível.

O Comitê de Vigilância Epidemiológica americano continua a recomendar a vacinação nos EUA para todos os indivíduos com 12 anos de idade ou mais, considerando que os riscos associados à infecção por Covid-19 são maiores do que os que podem estar associados à vacinação.

Mais informações são necessárias para determinar se há realmente uma relação causal entre a vacina e a ocorrência de miocardite e pericardite e se haverá mudanças nas recomendações da vacinação em relação à faixa etária.

MEDCOR Exames Cardiológicos
MEDCOR Exames Cardiológicos