coluna saude roberto daiub

Síndrome de Bornault

  • Publicado em Saúde

Síndrome de Burnout é um problema mundial que aumenta a cada ano e causa muitos danos à saúde do trabalhador e à economia.  Caracteriza-se por esgotamento profissional devido a sobrecarga de trabalho e stress físico e emocional principalmente devido a exposição continua a atividade insalubre. Foi incluída na Classificação Internacional de Doenças da Organização Mundial da Saúde (OMS).

A Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde (CID-11) ficou pronta no ano passado, após aprovação na 72ª Assembleia Mundial da OMS. Porém, só agora os estados membros a aprovaram, para que entre em vigor no dia 1º de janeiro de 2022. O “Burnout”, que foi incluído no capítulo de “problemas associados” ao emprego ou ao desemprego, recebeu o código QD85. O problema foi descrito como “uma síndrome resultante de um estresse crônico no trabalho que não foi administrado com êxito” e que se caracteriza por três elementos: “sensação de esgotamento, cinismo ou sentimentos negativos relacionados a seu trabalho e eficácia profissional reduzida”.

Leia também: O profissional de saúde e as consequências da pandemia

A Organização Mundial da Saúde resolveu um grande problema que vem acontecendo com bastante frequência, e a partir de 2022 não poderá ocorrer, como o equívoco que ocorre atualmente: a confusão entre Síndrome de Burnout e Depressão, isso porque, o trabalhador muitas vezes é prejudicado por causa da nomenclatura errônea. No entanto, importante salientar que o Tribunal Superior do Trabalho, em diversos casos, apesar da nomenclatura errônea no laudo ou atestado médico, tem condenado os empregadores à indenização em decorrência do afastamento pela Síndrome de Burnout, quando devidamente comprovada através de diagnóstico médico especializado.