Lula em Duque de Caxias: “Eu quero voltar para consertar o Brasil outra vez”

  • Publicado em Matérias

Lula em Duque de Caxias 20171208 DSC01749 Marcelo Cunha Jornal Capital            A caravana de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) passou por Duque de Caxias na tarde desta quinta-feira (dia 7). Cerca de duas mil pessoas recepcionaram o ex presidente na Praça do Relógio, no centro do município, ao som do coro “Olê olê olê olá, Lula, Lula” e apresentação de ritmistas e passistas da Escola de Samba Acadêmicos do Grande Rio.

Em um caminhão de som, Lula discursou após outros quatro oradores, diante de uma platéia inflamada. Lembrou várias conquistas de seu governo e voltou a criticar o impeachment da presidenta Dilma Rousseff e o presidente Michel Temer a quem chamou de golpista.

A fala durou quase uma hora. Lembrou de sua infância difícil em Pernambuco, a atuação no Sindicato dos Metalúrgicos e depois na política. Sobre sua passagem pela presidência da República por duas vezes, comentou:

            - Eu tenho consciência de que nós fizemos o maior programa habitacional do País e transformamos a Petrobras na maior empresa de petróleo do mundo. O pré-sal foi a maior descoberta de petróleo do século 21. Pagamos a dívida externa, resgatamos o respeito internacional e recuperamos a indústria, que passou a produzir sondas, plataformas e petroleiros para a Petrobras – lembrou Lula, a ascensão da classe menos favorecida a bens e crédito, entre outras iniciativas e melhorias para o povo.

Disse que não é candidato à Presidência, mas não escondeu esse desejo. “Eu quero emprego para o povo, quero saúde, quero educação. O gás de cozinha, por exemplo, faz parte da cesta básica do brasileiro. E ninguém hoje podendo comprar um botijão de gás. É por essas coisas que estão querendo que eu volte. E confesso que quero voltar para consertar o Brasil outra vez. Quero voltar para a Petrobras voltar a ser do povo brasileiro, quero voltar para democratizar os meios de comunicação desse País. Eu não persegui ninguém e vou voltar sem ódio.

            - Tem gente que quer armas para o povo. Eu prefiro dar educação. Eu não quero tirar nada de ninguém, quero é que todos tenham de tudo. Já provei o que posso fazer pelo povo. E se for candidato quero vencer o candidato deles [a Rede Globo] – disse, diante de uma multidão que voltou a cantar “Olê olê olê olá, Lula, Lula”. O ex presidente disse que, caso volte à presidência, “o povo vai voltar a poder comprar sua casa própria, trocar de carro e viajar de avião”.

            Encerrou o discurso falando dos ataques que sofre da grande mídia e de perseguição política. “Desafio a Polícia Federal, desafio o Ministério Público, desafio o [Sérgio] Moro a achar alguma coisa errada comigo. Estiveram em minha casa, reviraram tudo e não acharam nada, saíram decepcionados. Foram na casa do Cabral, acharam muita coisa, foram na casa do Gedel, acharam muita coisa. Eles não sabem o que é honra, eles não sabem o que é dignidade, isso eu aprendi com minha mãe. Eles mexeram com um cidadão nordestino que viveu com muita dificuldade, mas que tem caráter. Povo de Caxias, se preparem, pois vai ter muita batalha”, encerrou Lula, que seguiu para Belford Roxo e Nova Iguaçu.

No palanque vários parlamentares e lideranças, como os deputados federais Celso Pansera e Benedita da Silva, o estadual Geraldo Moreira, o senador Lindberg Farias, o ex prefeito Alexandre Cardoso, a presidente do PT-Duque de Caxias, Aline Rangel, o chanceler Celso Amorim e vários vereadores, entre outros. O ato público paralisou o trânsito em um trecho da Avenida Governador Leonel de Moura Brizola, que foi interditado para o ato público. Muitos populares que passavam, paravam para ouvir a fala do ex presidente.