Educação e Saúde: combinação de estratégias resolutivas

Não tem como não se ouvir histórias nestas duas áreas vitais para o desenvolvimento do cidadão, pois de que adianta educação sem saúde, ou ainda, saúde sem educação? As histórias pessoais de peregrinação nestas duas áreas e os resultados pífios alcançados demonstram notoriamente o quanto precisamos avançar frente à resolutividade dos problemas vividos.

Aposta na política do diálogo

Existe uma peregrinação das mulheres grávidas na busca de leitos hospitalares para terem seus bebês e, em contrapartida existe uma realidade insensível a esta circunstância, com a prática de uma política municipal que não tem como meta em seu plano diretor a criação de Serviços de Saúde Materno-Infantil de qualidade, que se oriente pela concretização do parto humanizado. Não é possível ser indiferente ao drama das mulheres gestantes sem acolhimento digno. Questiono quais são os obstáculos que impedem a gestão municipal da saúde de investir nesta infraestrutura necessária às mulheres e aos recém-nascidos?

A busca do cuidado resolutivo

As UPAs-Unidades de Pronto Atendimento, possuem caráter pré-hospitalares para as urgências e emergências, vinculadas ao SUS-Sistema Único de Saúde. Elas foram idealizadas para funcionar ininterruptamente, 24 horas por dia. Essas unidades compõem uma rede organizada de Atenção às Urgências e estão aptas a atender os casos de usuários que necessitem de cuidados de baixa e média complexidade. Problemas mais graves são encaminhados aos hospitais especializados.