Colunas

coluna saude roberto daiub 2Roberto Daiub é médico do Centro de Tratamento Intensivo do Hospital das Clínicas de Teresópolis (UNIFESO), cardiologista da Unidade Cardio Intensiva do Hospital Mario Lioni (Duque de Caxias) e  Coordenador Médico da UPA-Parque Lafaiete (Duque de Caxias).

Reações adversas aos fármacos

Um erro frequente é considerar que os efeitos farmacológicos de uma droga podem se dividir claramente em dois grupos: efeitos desejados ou terapêuticos e não desejados ou secundários. Na realidade, a maioria dos medicamentos produz efeitos diversos no organismo. No entanto, o médico pretende que o doente experimente só um (ou alguns) deles. Os outros efeitos podem ser classificados como não desejados. Apesar da classe médica e os demias profissionais de saúde prescritores como os cirurgiões dentistas por exemplo, se referirem ao efeito secundário, o termo reação adversa ao fármaco é mais apropriado para os efeitos não desejados, desagradáveis, ou potencialmente nocivos.

Não deve nos surpreender o fato de que reações adversas as drogas prescritas serem relativamente frequentes. Calcula-se que em alguns países, cerca de 10 % das admissões nos hospitais são devidas a reações adversas a algum tipo de medicamento . Entre 15% a 30 % dos doentes hospitalizados apresentam, no mínimo, uma reação adversa a alguma droga. Embora muitas destas reações sejam relativamente leves e desapareçam ao suspender-se a sua administração ou ao modificar-se a dose, outras são mais graves e de maior duração.

Por isso lembre-se, nunca utilize uma medicação sem supervisão ou prescrita por um profissional de sáude, pois um simples remédio inofensivo, pode provocar reações inesperadas e em algumas vezes fatais.

  • Categoria: Saúde
  • Acessos: 5522